Por Thais Godinho

Como morar sozinho e ter uma alimentação saudável
Como morar sozinho e ter uma alimentação saudável

Eu já comentei um pouco sobre o meu emagrecimento no blog, explicando como foi a dieta que eu comecei a fazer e que será a minha forma de alimentação pelo resto da vida. Pessoas com problemas com peso não podem se dar ao luxo de comer como quiserem e achar que não engordarão novamente. Assim, adquirir uma nova consciência sobre a comida me fez modificar completamente a minha alimentação no dia a dia, e isso facilitou muito a logística do nosso menu semanal.

Recebo muitos comentários de pessoas pedindo para eu passar as receitas que utilizo na dieta. A grande questão é que eu não faço receita alguma – taí a primeira coisa que simplifiquei. Minha alimentação se resume a um bom grelhado com legumes na manteiga ou uma salada. Alterno entre frango, carne vermelha ou omelete, que adoro. Existem diversas receitinhas para quem faz a dieta do dr. Atkins, como o bolo de queijo e o tal pãozinho revolucionário (ambas as receitas estão em seu livro), mas eu nunca as fiz.

Isso não afetou o planejamento do menu semanal aqui em casa porque, na verdade, ele continua sendo feito para o meu marido e o meu filho, que comem a mesma coisa, mas com complementos (arroz, batatas, macarrão). Quando eles comem pizza caseira, eu faço omelete, por exemplo. Se em um dia vamos fazer arroz, purê de batatas e frango grelhado, eu como somente o frango grelhado, sem problemas. A única coisa que realmente mudou foi o fato de estarmos gastando menos, pois eu não estou comendo esses outros alimentos.

Muitas vezes, sequer precisamos fazer o menu semanal, pois ele já está meio pronto sempre. Sabemos que vamos comer, por exemplo, frango três vezes durante a semana, carne umas duas vezes, hambúrguer em um dia e pizza/omelete em outro.

Mesmo meu marido não cozinha com receitas, pois ele gosta de cozinhar “intuitivamente”. Às vezes ele procura algum modo de preparo na internet, quando quer comer algo diferente, mas dificilmente cozinha com receitas. Nossa comida é a trivial mesmo.

O fato de fazer essa dieta simplificou de diversas outras formas. Não preciso mais comprar lanchinho para levar no trabalho, por exemplo, porque não sinto fome. Bebo muito mais água do que antes, além de comer mais verduras e legumes. Quando almoço fora, em um restaurante por quilo, minha refeição pesa (e custa) muito menos justamente porque não como arroz, massas etc.

No final das contas, essa foi a grande simplificação que fizemos aqui em casa. Nossa alimentação nunca foi tão simples e nunca estivemos tão saudáveis. Eu cheguei a ter uma gastrite em estágio inicial antes de começar a dieta, e agora até o meu colesterol está normalizado. Meu marido, que frequentemente tinha dores de estômago, nunca mais as teve. Isso só de reduzir os níveis de açúcar refinado e carboidratos simples.

Simplificar a alimentação resultou em uma simplificação da rotina médica também, porque precisamos comprar menos remédios e ir menos ao médico.

Artigo por Thais Godinho do Blog www.vidaorganizada.com